quinta-feira, 19 de julho de 2007

Eólica da EDP cresce 58% no primeiro semestre

A Energias de Portugal revelou hoje os seus dados operacionais provisórios referentes ao primeiro semestre deste ano. A eléctrica nacional aponta para um crescimento sustentado dos volumes de energia, sendo de destacar um aumento de 58%, em termos homólogos, na produção de energia eólica.

Segundo o comunicado enviado pela empresa à CMVM, no final de Junho, a capacidade instalada eólica bruta da EDP na Europa aumentou para 1.732 MW, um crescimento de 56% em termos homólogos, "em linha com os objectivos anunciados".

A empresa liderada por António Mexia salienta que a "produção de energia eólica aumentou 58% para 1.403 GWh, com o conjunto de parques eólicos operados pela EDP manter um elevado nível médio de utilização de 28% no primeiro semestre".

Ao nível da electricidade produzida pelas centrais eléctricas da EDP, que operam em mercado liberalizado, verificou-se um aumento homólogo de 3,6%, "suportado no elevado nível de 79% de utilização das nossas centrais a carvão no período, o aumento da produção hídrica e uma redução dos níveis de utilização das nossas CCGTs", refere a empresa.

O volume de electricidade comercializada pela EDP no mercado Ibérico liberalizado caiu 5,7% em relação ao período homólogo. A eléctrica afirma ter sido penalizada "pela forte concorrência das tarifas reguladas", mas considera que esta quebra reflecte também "um aumento significativo da quota de mercado no mercado liberalizado Ibérico".

A empresa acrescenta que a "queda de volumes vendidos no mercado português foi quase integralmente compensada pelo aumento de volumes vendidos em Espanha, enquanto que o aumento em 67% do número de clientes liberalizados da EDP no mercado Ibérico, foi suportado pelo sucesso da oferta da EDP no segmento residencial em Portugal, através da oferta ‘5D’".

No Brasil, durante este primeiro semestre, o volume de electricidade distribuída pela EDP aumentou 4% em relação ao período homólogo, a reflectir o crescimento económico, nomeadamente nas áreas de concessão da Escelsa e da Enersul.

in Jornal de Negócios

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial